PHP é uma linguagem de script multi-funções que foi concebida originalmente por Rasmus Lerdorf em 1995. PHP nasceu da necessidade que Rasmus teve para contar o número de visitas que um trabalho online ia recebendo. Devido à grande popularidade que o seu script teve, Lerdorf continuou a desenvolvê-lo, passando a desenvolver uma linguagem. Ao longo do tempo, outros desenvolvedores juntaram-se a ele e mais tarde criaram o software. Originalmente PHP significava “Personal Home Page”, e foi distribuído como um projecto gratuito Open-Source.

No entanto, com o decorrer do tempo, a linguagem foi sendo alterada para corresponder às necessidades dos seus utilizadores. O seu nome foi então alterado para “PHP: Hypertext Preprocessor”. PHP é utilizado como uma linguagem de script do lado do servidor, e é especialmente indicada para criar páginas web dinâmicas. Esta linguagem inclui suporte para lidar com bases de dados, como MySQL, que a torna a candidata ideal para o desenvolvimento de aplicações web, desde pequenos websites pessoais, até aplicações empresariais super complexas.

 Sintaxe e Variáveis em PHP

SINTAXE

Por defeito, os servidores apenas procuram PHP nos ficheiros que tenham a extensão .php. Mas um ficheiro .php pode contar elementos que não são parte do script, e a procura no documento por scripts é confuso e requisita recursos a mais da máquina. Para resolver esta situação, todos os scripts PHP têm de estar embutidos dentro dos limitadores php. Para iniciar, basta fazer o seguinte:

<?php
O seu Código PHP entra aqui
?>

Esta declaração tem de ser introduzida fora das tags HTML body, head, html ou outras. O ideal é que seja introduzido antes de qualquer outra coisa que tenha no seu ficheiro.

Ao longo do tempo é possível que encontre outros métodos de fazer a limitação do código PHP, mas é importante salientar que esses outros métodos não são tão recomendáveis como o que citámos acima. Deverá evitar utilizá-los.

Aqui ficam eles:

<?='Insira texto aqui'?

Esta tag acima faz o mesmo que:

<?php
    echo 'Insira texto aqui';
?>

Existem ainda mais 2 tags, uma HTML e outra do estilo ASP:

<script language="php">
    echo 'Insira texto aqui';
</script>
<%
    echo 'Insira texto aqui';
%>

Esta última foi fornecida aos utilizadores de Front Page. Estas opções que apresentámos são as chamadas Short Tags. Embora algumas sejam mais fáceis de escrever, o uso de short tags pode criar problemas de compatibilidade em aplicações que necessitem de correr em vários servidores que possam não ter a mesma configuração. Além disso, é importante salientar que o uso de short tags entra em conflicto com a sintaxe XML <?xml version=”1.0″ enconding=”ISO-8859-1″ ?>.

SINTAXE DA ASPA ÚNICA

Encapsular uma string em aspa única é a maneira mais simples de criar uma string em PHP. É importante salientar que a aspa única tem uma grande particularidade – Não processa variáveis ou outro tipo de caracteres especiais (à excepção da situação retratada no ponto anterior), o que estiver escrito é aquilo que aparece. Vejamos um exemplo:

$escola = 'Escola Criatividade';
echo 'Esta é a $escola';

A saída será “Esta é a $escola” e não “Esta é a Escola Criatividade” como seria desejável.

SINTAXE DA ASPA DUPLA

A utilização da aspa dupla não é muito diferente da aspa única, sendo que a principal diferença reside no facto de que interpreta código que esteja encapsulado. Quer isto dizer que qualquer variável ou outro caracter especial irá ser processado normalmente pelo script. Vejamos um exemplo concreto:

$escola = "Escola Criatividade";
echo "Esta é a $escola";

Neste caso, a saída do script será “Esta é a Escola Criatividade”. Como vimos anteriormente, não é o que acontece com a utilização da aspa única.

CONCATENAÇÃO DE STRINGS

Durante o seu caminho enquanto programador PHP, irá certamente sentir a necessidade de juntar strings em um script. Apesar de à primeira vista poder parecer um processo um pouco mais complicado, pode ficar descansado pois é bastante simples. Para fazer a concatenação de strings apenas necessitará de um operador, neste caso o ponto (.). Para ter uma ideia, siga o exemplo abaixo:

$variavel = "Esta é uma " . "frase.";
echo $variavel;

Neste caso, a saída seria “Esta é uma frase.”. Apenas procedemos à concatenação de texto. Se pretender fazer a concatenação com variáveis siga o exemplo abaixo:

$variavel = "Esta é uma ";
$palavra = "frase.";
echo $variavel . $palavra;

Neste caso, concatenámos as variáveis $variavel e $palavra, produzindo a saída “Esta é uma frase.”. Esta situação abre portas a uma imensidão de opções e soluções que você poderá explorar com o tempo e com a experiência de utilização.

O QUE É UMA VARIÁVEL?

Uma variável é uma palavra-chave ou frase que tem o propósito de identificar um valor guardado na memória do sistema. Isto pode ser extremamente útil, pois permite construir programas que irão executar uma série de acções no valor de uma variável. Significa que poderá alteral os valores de saída de um programa, alterando apenas o valor da variável.

COMO INTRODUZIR VALORES NUMA VARIÁVEL?

PHP permite-lhe guardar practicamente tudo numa variável, utilizando um dos seguintes tipos de dados:

  • String – Caracteres alfanuméricos, como nomes ou frases.
  • Integer – Valor numérico, números inteiros.
  • Float – Valor numérico, números reais (decimais).
  • Boolean – Devolve Verdadeiro ou Falso.
  • Array – Variável que armazena mais do que um valor, indexando-os.
  • Object – Colecção de dados e métodos.

O método de introdução de valores numa variável é bastante simples, siga o exemplo abaixo:

$escola = 'Escola Criatividade';

Neste exemplo, para identificar a variável perante o sistema utiliza-se $ seguido do nome da variável. A variável $escola tem o valor Escola Criatividade. sempre que a variável $escola for chamada, irá devolver Escola Criatividade. Simples!

O QUE SÃO INTEGERS?

Um Integer é um número inteiro positivo ou negativo ( sem valores decimais). Por exemplo, os números 10 e -56 são integers, mas 1,5 não é. Como o PHP é uma linguagem escrita, não há necessidade de declarar as variáveis como Integers, No entanto, se achar necessário pode fazê-lo usando a seguinte sintaxe:

$num = 27; // Ao não utilizar aspas, irá ser sempre integer
$num = (int) "3 De Março"; // Aqui será assumido o 3
$num = (int) "Seis"; // Aqui será assumido 0
$num = (int) "Seis 5"; //  Aqui será assumido 0

O valor de uma string irá sempre ser zero a não ser que a mesma comece com um valor numérico, como por exemplo “20 dias”. Neste caso será assumido o 20.

O QUE SÃO FLOATS?

Os números Float são números de valor decimal, ou números reais. Isto inclui números como 2,11111 ; 3,14 ou 1,1. Há que tomar em atenção o facto de que os números float podem produzir resultados inesperados, pois é impossível representar todos os valores com um número limitado de dígitos. Um bom exemplo disso mesmo é 1/3, que leva à repetição decimal 0,333333333(3). Por esta razão não deverá utilizar Floats para efeitos de comparação.

É possível verificar se uma variável é do tipo float, utilizando ou a função is_float() ou is_real():

<?
  $valor = 1.7;

  if(is_float($valor)){
    echo 'A variável $valor é do tipo float';
  }
?>

O QUE SÃO VALORES BOOLEAN?

Um valor Boolean é a forma mais simples de dados. Apenas pode conter dois valores – True ou False. É importante referir que False (sem aspas) é diferente da string “False”, tal como acontece com True. De salientar também que os valores Boolean não são sensíveis a maiúsculas. Os valores Boolean são especialmente úteis quando se determina se uma condição existe. Por exemplo, utilizando uma declaração If-Else, podemos efectuar uma série de acções se o valor for verdadeiro:

<?php
    if($condicao === true)
    {
        echo 'A condição é Verdadeira';
    }
    else
    {
        echo 'A condição é Falsa';
    }
?>

O QUE SÃO ARRAYS?

Arrays são um dos tipos de dados mais poderosos e importantes em PHP, devido à sua capacidade de indexar informação usando uma chave. Isto significa que um array pode guardar várias partes de informação na mesma variável, todas indexadas por uma chave. Imaginando que estamos a falar de um blog, e pretende guardar um artigo em variáveis sem a utilização de arrays, utilizaria o seguinte:

<?php
        $art_titulo="Titulo do Artigo";
        $art_data="6 de Maio de 2011";
        $art_autor="Diogo Espinha";
        $art_texto="Este é um exemplo de artigo.";
?>

Este processo pode-se tornar confuso ao longo do tempo, então para simplificar utiliza-se um array:

<?php
    $artigo = array(
        'titulo'=>'Titulo do Artigo',
        'data'=>'6 de Maio de 2011',
        'autor'=>'Diogo Espinha,
        'texto'=>'Este é um exemplo de artigo.'
        );
?>

O ganho na utilização de um array resido no facto de que simplifica o processo e passa a ter a informação toda na mesma variável, neste caso a variável $artigo. Então, para você acessar os dados dentro do array, siga o exemplo abaixo:

<?php
    echo $artigo['titulo'];
    echo $artigo['data'];
    echo $artigo['autor'];
    echo $artigo['texto'];
?>

Neste caso utilizámos um mapeamento manual, mas podemos utilizar um mapeamento automático, que é numérico e começa em zero. Desta forma você acessa os valores dentro do array que foram indexados automaticamente utilizando o mapeamento numérico, sem a utilização de aspas. Então, para criar o mapeamento automatico, siga o exemplo abaixo:

<?php
    $artigo=array('Titulo do artigo','20 de Julho de 2012','Diogo Espinha','Este é um exemplo de artigo.');
?>

Então, como o mapeamento automático começa em zero, “Título do artigo” terá o index 0, “20 de Julho de 2012″ terá o index 1, “Diogo Espinha” terá o index 2 e “Este é um exemplo de artigo.” terá o index 3.

Agora podemos utilizar este mapeamento para criamos a saída que quisermos. Se pretender mostrar todos os itens do array:

<?php
    echo $artigo[0];
    echo $artigo[1];
    echo $artigo[2];
    echo $artigo[3];
?>

Poderá também utilizar a concatenação e juntar 2 itens da variável na mesma saída:

<?php
    echo $artigo[0], ' Por ',$artigo[2],' no dia ',$artigo[1];
?>

A saída deste pequeno snippet seria “Título do artigo Por Diogo Espinha no dia 20 de Julho de 2012″. Como pode confirmar a utilização de arrays não é difícil embora possa significar algum trabalho.

Abraço!

 

Autor: Diogo Espinha

Blog do Autor | Artigos do Autor:

Workaholic e totalmente viciado em computadores, Internet e desporto motorizado. Adora praticar desporto, é um curioso da programação em PHP, CSS e HTML5 e não dispensa a companhia do seu Mac OSX 86 Snow Leopard!

  • Explorer - Factory Construction & Ship Building Joomla Theme
  • Justice - Attorney and Law Firm Joomla Template
  • OwnFolio - One Page Personal Portfolio / vCard / Resume / Showcase Joomla Template
  • Big Business - Responsive Template
  • Merab - Creative Multipurpose Drupal 8 Theme
  • Fitness Academy Joomla Template
  • Fruition - Business Joomla Template
  • Educate | Education & Courses, Kindergartens Joomla Template
  • Constructive - Contractors Multipurpose Joomla Landing Page Theme
  • Vina Bubox - VirtueMart Joomla Template for Online Stores
  • BizOne - One Page Parallax Drupal Theme
  • LawHouse - Responsive Lawyers Attorneys Joomla Template

Gostou deste artigo? Então torne-se fã do Blog no Facebook!



Comentários dos Alunos

RSS
Twitter
Facebook
Comentários
ASSINANTES
SEGUIDORES
FÃS
COMENTÁRIOS
7794

Subscrever Newsletter
Subscreva a Newsletter:



Aplicativos Android, iPhone e Muito Mais!




Assine a Escola Criatividade Assine a Newsletter da Escola Criatividade Escola Criatividade no Twitter Escola Criatividade no Facebook Escola Criatividade no Youtube Escola Criatividade no Google Buzz